O dia que eu desisti da vida

Não, isso não é uma mensagem de adeus. Talvez seja até pior, por que quem decide dar adeus escolheu o seu caminho, eu não escolhi nenhum caminho, eu sempre desisti de todos os caminhos.

Infelizmente eu não sei bem qual foi o dia que isso aconteceu, se é que foi em um único dia (dúvido muito).

Eu sempre senti algo, parecia uma sombra, se é que sombras podem ter peso, incomodando, as vezes quase imperceptível, outras bem visível.

E ela sussurrava: - Não se preocupe, tudo vai ficar bem, senta ai, que tudo vai se arrumar.

E eu continuava sentado. Eu queria algo, mas pra conseguir isso eu tinha algumas opções, quase sempre envolviam algum esforço, esforço esse que eu escolhia não fazer, a melhor opção sempre foi: deixa pra lá, depois acho um jeito mais fácil, com o tempo isso se ajeita.

Isso podia até funcionar, na hora, um probleminha era resolvido, mas eu não tinha realmente conseguido algo.

Outro sussuro: - Você não precisa disso, você nem quer isso.
- Claro que eu quero. - Ah, então corre atrás! - Uhmm, deixa pra próxima, vou procurar algo mais fácil... - Viu, é melhor assim! Você não quer isso tudo, você nem merece.

Sempre escolhi desistir, sempre escolhi não lutar, sempre escolhi não correr, sempre escolhi não fazer, sempre escolhi não escolher, sempre escolhi deixar passar. Isso parece com um vício, você se acostuma, você gosta, começa a "funcionar" e quando não funciona você inventa uma desculpa. E eu me enganava dizendo que estava tentando, que estava fazendo o meu melhor, que aquilo era tudo que eu tinha pra oferecer.

Mas havia um sentimento que não ia embora, eu "escolhia" tanto, mas pelo jeito não conseguia nada. Algo não está certo, tá faltando alguma coisa.

Não venha me dizer que é só falta de vergonha na cara, que basta levantar e ir fazer. Não era tão fácil, sim, era isso que eu deveria fazer, levantar e fazer, mas eu não consegui. Eu não conseguia levantar, a comodidade me segurava, estar sentado parecia ser bom o suficiente.

Dai você sonhava em duas mil trezentos e cinquenta e quatro coisas que poderia fazer, mas eram só sonhos, fantasias pra aquecer um pouco a mente, assim ficar sentado nem parecia tão ruim, olhe tudo que eu posso sonhar em querer fazer.

Aconteciam algumas coisas, mas na maioria dos casos por pura sorte ou quando não havia outra opção eu escolhia a mais fácil, o remendo, um tapa-buraco temporário, algumas me traziam um pouquinho de alegria e acho que até felicidade. E essas pequenas porções bastavam pra compensar ficar sentado. O mar estava logo ali, e eu catava só algumas gotas, na verdade eu queria mais, mas me contentava com àquelas gotas, e tudo parecia estar indo bem. "Acho que na próxima melhora, quem sabe não vem uma gota maior."

Eu nunca havia percebido que bastava levantar e pegar quantas quisesse, várias iriam cair, mas ainda assim seriam muito mais do que apenas uma única gota. " - Não!! Levantar não é uma opção. Eu vivi até agora só de gotinhas, por que querer mais?" Elas pareciam ser suficientes, me satisfaziam naquele momento, mas nunca me completaram.

Pena que demorei tanto pra entender que isso não normal, que essa sombra, essa carga angustiante não me fazia bem. Tive que sofrer muito pra começar a entender que isso não podia continuar, que eu não iria aguentar. Eu não quero mais sofrer, não desse modo, não por deixar tudo ir embora. Eu quero poder me levantar e fazer as minhas escolhas.

Ainda nem sei bem como me levantar, mas até hoje eu nem sabia que poderia.
E agora eu quero levantar, vou descobrir como, por que ficar sentado todo esse tempo não valeu a pena.
Eu não quero morrer e que me escrevam: "O corpo vai embora hoje, mas ele já havia desistido à muito."
Pode até ser que escrevam: "Não conseguiu muito, mas ele não desistiu."

Sim, lutar me parece uma opção melhor, eu já desisti de tanto, e isso não me deixou melhor, desistir não me ajudou em nada. Sempre foi fácil, claro, desistir geralmente é fácil, mas veja bem que essa não é aquela desistência suada, essa é a desistência fácil, a que você escolhe logo de cara, antes de tentar qualquer outra coisa, essa é fácil, mas não traz nada, não soma nada, não melhora nada. Na hora pode até parecer que é melhor, mas não é. Não pra mim pelo menos, eu sei bem.

Desistir pode até ser bom, se eu quisesse continuar sentando, mas eu não quero, não mais. Já perdi demais, já sofri demais. Escolher levantar provavelmente vai doer, eu dúvido muito que não irão haver sofrimentos, mas a dor de tudo que perdi por desistir é bem pior, ver a vida de esvair assim é triste.

Escolho escolher, escolho não desistir e acima de tudo escolho viver.

Ralf Schmitz Bongiolo

Read more posts by this author.

Amazonian Rainforest